Voltei à minha infância por breves momentos, onde o Rei Leão estava constantemente a rodar no leitor de cassetes cá de casa. Infinitas rotações que desgastavam, aos poucos, a fita que preenchia aquele rectângulo mágico. Como era bom sorrir inocentemente enquanto o tempo passava.