Ouço o vento passar e pergunto-lhe se o tempo que passou num destes dias passará novamente? Pergunto-lhe se as dores que um dia tive voltarão para o meu coração e se este chorará como um eterno sofredor. Pergunto-lhe ainda se sabe do tempo que virá? Se sabe se este me trará na mesma as alegrias e felicidade do agora, se será bom comigo e com as minhas memórias guardadas. Mas o vento não me responde. Limita-se a acariciar as bochechas e a aconchegar a minha alma. Passa ao de leve e não me diz nada, mas ao mesmo tempo diz-me tudo o que preciso de saber por agora.