Odeio o facto de por vezes explodires sem razão aparente. Odeio quando me trincas o lábio inferior. Odeio quando tenho de te dizer até amanhã. Odeio que me consigas pôr a rir sem nenhuma razão específica. Odeio sim quando não consegues controlar, às vezes, essa tua maneira de ser tão directo e objectivo, mas odeio ainda mais o facto de não me conseguir chatear contigo, por te amar desta maneira e porque sei que também me amas com todos os defeitos que tenho.