Passou o dia a correr e eu de um lado para o outro na visita de estudo. Queria ver um sinal de ti e nada, nem objecto vivo, perante mim que me fizesse acreditar que estavas ali comigo e que era tudo um sonho do qual acabara de acordar. Chego às 18h30 ao portão e saio atabalhoada do autocarro sem esperanças de ter um toque de lábios vindo de ti. Apesar de custar e quase como adivinhando que não iria ver o que desejava a olhar-me de volta, olho em diante e ali estás tu. Esperaste por mim após o toque de saída da escola. Sorri com tudo o que havia em mim. A tristeza desapareceu. Corri para ti. Mataram-se as saudades e o amor permaneceu enorme. E por muito que se compense o tempo perdido, por vezes, ainda ficam umas restias de saudades no nosso coração.

P.S: FAZES ME AMAR-TE DE UMA MANEIRA DESMEDIDA.