Irritas-me tanto quando nos estamos a despedir e eu quero falar contigo e tu me dás beijos. Nunca consigo dizer uma frase. Depois mostras aquele teu sorriso matreiro de quem está a armar alguma coisa! Irritas-me quando me trincas o lábio. Irritas-me quando eu te quero beijar e tu pegas comigo e não me beijas, mas fechas os olhos só para não caires na tentação de quereres o mesmo que eu. Irritas-me quando demoras uma eternidade a comer. Irritas-me quando gozas comigo só para eu ficar amuada e para depois me conquistares "de volta". Irritas-me quando me fazes ir ter contigo à escola durante a tarde nos teus intervalos só porque queres mesmo estar comigo. Mas sabes a verdade? Adoro que o faças, adoro que me "irrites". Adoro que me leias os pensamentos, que me completes as frases! Conheces os meus tiques e os meus amúos. Sabes o que fazer para me derreter, mas também para me chatear. Adoro quando me fazes carícias nas bochechas e aquelas passagem dos dedos nas pernas, como que uma massagem, que me arrepia, mas tão boa. Adoro que me digas também te amo quando eu olho para ti. Não temos uma relação como as outras pessoas. Temos algo fora do ordinário. E isso é o que me faz amar-te desta maneira.