Fechas os olhos. Sentes-me ali perto de ti, corpo a corpo. Beijo as tua pálpebras cansadas. Sorris, mas permaneces imóvel, apesar da vontade de reagires ser tanta. Passo os meus lábios pela a ponta do teu nariz vermelho e frio do árctico vento. Gela-me a boca com a diferença das nossas temperaturas, mas mais um beijo te dou com carinho. Passo os meus dedos tímidos pelas tuas feições. Desenho cada pormenor da tua cara e memorizo cada traço teu. Acabo com a minha mão na tua orelha. Tão simples e tão perfeita no mesmo segundo. Arrepias-te quando te beijo no pescoço. Fico a olhar para ti. Olhar terno que te embala no meu amor. Abres os olhos e deparaste com dois olhos fixados em ti e coras. Não consegues manter contacto visual, nunca conseguiste meu anjo. Desvias a cara envergonhado. A minha mão segura agora a tua face que me enamora. O meu coração começa a bater a mil. Abraças-me e mais um beijo é partilhado pelas nossas bocas singelas. Mais um afecto de apaixonados. Deito-me sobre o ti e tu sentes cada curva do meu corpo fatigado. Vais me beijando a testa e mexendo no meu cabelo despenteado pela brisa do norte. Enrolas os meus caracóis nos teus dedos, delineando e fazendo desenhos abstractos nas minhas costas com eles, até que eu adormeço nos teus braços.


  Acordo na minha cama e sorrio com sonho que me agitou o coração. Pareceu tão real. Senti-te tão perto de mim. Senti os teus lábios beijando as minhas costas e as tuas mãos a segurar-me para não mais cair. Nem nos meus sonhos consigo parar de pensar em ti. És realmente tudo o que tenho de melhor em mim e na minha vida. Completas-me como ninguém outrora fez meu rei. Talvez por isso não consiga viver mais sem ti e sem o nosso amor.